11 deliciosas comédias românticas esquecidas que merecem ser descobertas

/home/tribu/public html/wp content/uploads/sites/14/2015/10/COMEDIAS ROMANTICAS
Descubra e divirta-se (Fotos: divulgação)

[tribuna-veja-tambem id=”9912″ align=”alignleft”]Um Toque de Infidelidade (Cousins, 1985) de Joel Schumacher
Lary (Ted Danson) e Maria (Isabella Rossellini) são primos e casados com Tish (Sean Young) e Tom (Willian Petersen), respectivamente. Tudo parecia normal, até que eles se descobrem que seus parceiros têm um caso. Para se vingar da traição, Larry e Maria decidem passar por amantes. E entre uma situação e outra, eles vão descobrir que têm muito mais coisas em comum do que o simples parentesco e acabam se apaixonando.
Porque assistir: refilmagem doce do italiano Primo, Prima (1975), com uma estonteante Isabella Rossellini e um amável Ted Danson. Apesar de previsível, é divertido e promove um amor inesperado de uma forma bonita.

Roxanne (Idem, 1987) de Fred Schepisi
Chefe dos bombeiros, C.D. Bales (Steve Martin) tem um nariz enorme. Ele contratou há pouco tempo Chris (Rick Rossovich), um jovem promissor, mas sem jeito com as mulheres. Desta forma se vê em apuros quando Roxanne (Daryl Hannah), uma astrônoma que se mudou há pouco tempo para a cidade, fica de olho nele. Sem saber o que fazer, Chris pede ajuda a C.D. O que ele não sabe é que C.D. nutre uma paixão platônica pela loira, mas sem coragem de se declarar.
Porque assistir: essa versão livre e modernizada do clássico “Cyrano de Bergerac” conquista o espectador com sua leveza e sensibilidade. Palmas para Steve Martin, que conquista sem beleza, e para a igenuidade bonita de Daryl Hannah.

Digam o que Quiserem (Say Anything…1989) de Cameron Crowe
Lloyd Dobler (John Cusack) acaba de completar o ensino médio e não tem qualquer perspectiva para o futuro. Ele é apaixonado pela garota mais linda e inteligente do colégio, Diane Court (Ione Skye), que está de viagem marcada para a Inglaterra. Desesperado, ele fará de tudo para conquistá-la no verão que resta, mas primeiro precisará escapar dos olhares atentos do protetor pai da amada, James Court (John Mahoney).
Porque assistir: o primeiro filme dirigido por Crowe (o mesmo de Jerry Maguire e Quase Famosos), tem trilha sonora incrível, John Cusack se divertindo e diálogos deliciosos.

De Salto Alto (Tacones Lejanos, 1991) de Pedro Almodóvar
Rebeca (Victoria Abril) é uma jovem mulher cuja mãe é estrela pop, que mais se interessa pela mídia que pela família. Anos após ter abandonado a filha, a cantora Becky (Marisa Paredes) está de volta a Madrid. O reencontro é constrangedor, até porque Rebecca está casada com Manuel (Feódor Atkine), ex-amante da mãe. Até que Manuel aparece morto. Resta saber quem é o assassino.
Porque assistir: um Almodóvar menor, mas ainda muito divertido e cheio de reviravoltas. Victoria Abril e marisa Paredes brigam pela coroa de musa da vez, enquanto Miguel Bosé surpreende “de salto alto”, literalmente.

Meu Querido Intruso (Once Around, 1991) de Lasse Hallstrom
Após o casamento da irmã (Laura San Giacomo) e a frustração de ouvir do namorado (Griffin Dunne) que não se casarão, Renata (Holly Hunter) se vê em crise. Ela já passou dos 30 anos e não tem expectativa profissional ou pessoal. Ao fazer um curso para ser corretora imobiliária conhece Sam Sharpe (Richard Dreyfuss), um vendedor milionário lituano que vive nos EUA, e logo se apaixonam. Mas os pais conservadores (Danny Aiell e Gena Rowlands), possuem ressalvas por saberem tão pouco sobre Sam.
Porque assistir: o casal formado por Holly Hunter e Richard Dreyfuss é espontâneo e encantador. E mais, mostra como uma forma leve e divertida de ver a vida pode mudar para melhor o deu dia a dia. É assinado pelo mesmo diretor de Regras da Vida (1999). E prepare os lenços para a sequência final.

O Casamento de Muriel (Muriel’s Wedding, 1994) de P.J. Hogan
Com roupas fora de moda, fã do ABBA, desajeitada e gordinha, Muriel Heslop (Toni Collette) tem 22 anos e nunca teve muitos amigos. Sua vida muda ao conhecer Rhonda Epinstalk (Rachel Griffiths), que também é excluída do meio social. Sonhando com uma vida livre, elas fogem para Sydney. É quando ela conhece e se apaixona por um famoso nadador.
Porque assistir: a vitória dos excluídos, do amor, da vida, do sucesso, mas que se erguem com muito bom humor, sem nunca desistir de ser feliz. Filme australiano que revelou Toni Collette, que por sinal, arrasa, e do mesmo diretor de O Casamento do Meu Melhor Amigo (1997).

Caindo na Real (Reality Bites, 1994) de Ben Stiller
Estudante (Winona Ryder) resolve gravar o comportamento de seus próprios colegas de escola. Munida de uma câmera, ela entrevista todos sobre tudo. Tudo vai bem até o dia que ela conhece um executivo (Ben Stiller) que quer levar o vídeo para ser exibido na TV, enquanto o namorado fica com ciúmes da nova amizade (Ethan Hawke).
Porque assistir: promissora estreia de Stiller atrás das câmeras. È um sensível e agradável olhar sobre a geração de jovens dos anos 90 e uma projeção sobre o seu futuro.

Brincando de Seduzir (Beautiful Girls, 1996) de Ted Demme
Pianista (Timothy Hutton) com dúvidas quanto a seu relacionamento com bem-sucedida advogada volta à cidade natal para uma reunião de amigos. Ao encontrar os velhos conhecidos (Matt Dillon, Michael Rapaport, Mira Sorvino, Lauren Holly, Noah Emmerich), os mesmos problemas existenciais de outrora permanecem. E entre um porre e outro, flerta com a vizinha adolescente (Natalie Portman) e uma bela forasteira (Uma Thurman).
Porque assistir: um elenco em sintonia, histórias de amigos que poderia ser as suas e uma jovem e já cativante Natalie Portman.

Ressaca de Amor (Forgetting Sarah Marshall, 2008) de Nicholas Stoller
Com intuito de esquecer a ex namorada famosa (Kristen Bell), Peter (Jason Segel) viaja para o Havaí. Porém descobre que sua antiga paixão, está hospedada no mesmo hotel com seu novo namorado (Russell Brand ). Para superar essa crise e as confusões que se meteu, ele contará com uma simpática atendente (Mila Kunis) do resort que está disposta a ajudá-lo.
Porque assistir: um filme para superar uma traição com muitas risadas, sem contra indicações. Jason Segel é o ingênuo perfeito, enquanto Mila Kunis conquista pelas atitudes. Se prepare para rir muito, mesmo que seja da desgraça alheia.

Ligados pelo Amor (Writers/Stuck in Love, 2012) de Josh Boone
Três anos depois de seu divórcio, o romancista Bill Borgens (Greg Kinnear) não consegue esquecer o passado e espiona sua ex-mulher (Jennifer Connelly), que trocou o marido por outro mais jovem. Mesmo que sua vizinha e amiga colorida, Tricia (Kristen Bell) tente trazê-lo de volta à ativa, ele permanece parado no tempo. Enquanto isso os filhos procuram vencer na vida. A independente Samantha (Lily Collins) está publicando seu primeiro romance e Rusty (Nat Wolff) está tentando encontrar um caminho como escritor de fantasia
Porque assistir: um entrelaçado de histórias críveis, com relações familiares, sexo, drogas, amores possíveis e impossíveis, recomeços e descobertas, muito bem embebedadas de sensibilidade.

À Procura do Amor (Enough Said, 2013) de Nicole Holofcener
Massagista separada, Eva (Julia Louis-Dreyfus) conhece o também divorciado Albert (James Gandolfini) e engata um romance. Os dois tem muito em comum, inclusive filhas que estão saindo de casa para ir à faculdade. A relação pode se complicar quando Eva se aproxima da poetisa Marianne (Catherine Keenner), sua cliente, que faz revelações sobre seus ex-relacionamentos.
Porque assistir: o elenco (não estelar) é muito, muito bom. Gandolfini demonstra uma imensa sensibilidade por trás de uma presença intimidadora. Sua parceira de cena (Louis-Dreyfus) exala a sinceridade de sua personagem.