Crítica: “O Passageiro” é repeteco de fita de ação com Liam Neeson

Liam Neeson e as quatro parcerias com Jaume Collet-Serra: o mesmo filme todas as vezes. O último é “O Passageiro” (2018), em cartaz nos cinemas.

O Passageiro (The Commuter, 2018) de Jaume Collet-Serra

Mais recente entrada na antologia não-oficial de filmes de ação para paizões estrelados por Liam Neeson, O Passageiro (The Commuter, 2018) de Jaume Collet-Serra, trás o ator no clássico papel do homem comum no lugar e hora errados a la John McClane/Duro de Matar, desta vez em um trem suburbano.

Michael MacCauley (Liam Neeson), ex-policial aposentado que acabou de ser demitido do emprego de vendedor de seguros de mais 10 anos, é abordado por uma mulher misteriosa (Vera Farmiga) durante sua viagem rotineira de volta para casa e desafiado a encontrar um passageiro que pode ou não ser alvo de uma conspiração assassina, ganhando, em troca, 100 mil dólares.

Vera Farmiga lança um desafio para Liam Neeson

Assim como em Expresso do Amanhã/Snowpiercer (2013), O Passageiro é uma fábula moral sobre luta de classes e elites corporativas opressoras, disfarçada de blockbuster de ação em um ambiente restrito. Neeson – que fez uma carreira ao desafiar as palavras imortais de Danny Glover em Máquina Mortífera (1987) sobre os limites do trabalho policial na terceira idade – continua encarnando um anti-herói sessentão com já consagrada naturalidade, enquanto o diretor Jaume Collet-Serra (do bem sucedido Águas Rasas, 2016) demonstra segurança e paciência em um primeiro ato quase inteiramente dedicado a estabelecer os personagens.

O filme decola uma vez dentro do trem, e a coisa toda funciona como um thriller de ação descompromissado enquanto a trama é percorrida num ritmo acelerado. Mas aí a história chega a uma parada literal no terceiro ato e todos os furos da conspiração central vêm à tona. Os filmes de Collet-Serra são thrillers bruscos (e quatro deles são com Liam Neeson fazendo praticamente a mesma coisa), auto-contidos e levemente absurdos que estão acima da média dos blockbusters hollywoodianos, mas mesmo ele não consegue impedir esse roteiro de descarrilar.